X-MEN (1992, Arcades)

Vendo o novo filme X-Men – First Class no cinema essa semana, me lembrei de um game antigo dos personagens que pouca gente por aqui conhece. Trata-se de um ótimo beat’em up lançado em 1992 pela Konami, e que na época não ganhou adaptações para consoles domésticos.


É um game que eu vim a conhecer recentemente, graças aos bons e velhos emuladores. Não me recordo de ter visto esse arcade na adolescência por aqui, e vejo que pouca gente lembra dele, embora aparentemente ele tenha sido um game popular nos EUA.


O jogo é repetitivo pra caramba, e adota a fórmula caminhar-e-bater da forma mais limitada possível. Não rola muita variedade de golpes, nem uma grande variedade de inimigos. É porrada na sua forma mais simples, mas satisfaz.

Os gráficos deste X-Men da Konami são bem legais e a jogabilidade é muito boa, (apesar de repetitiva), como é de praxe nos games da empresa. O jogador pode escolher entre seis diferentes personagens: Cyclops, Colossus, Wolverine, Storm, Nightcrawler ou Dazzler. O objetivo, como não poderia deixar de ser, é frustrar mais um plano maligno do vilão Magneto, que só para variar resolveu varrer a raça humana do mapa.


Apesar de ser um sólido beat’em up para jogar sozinho, o grande barato do game, é claro, está no modo multiplayer. As máquinas originais do arcade eram diferentes entre si, sendo que algumas aceitavam quatro jogadores simultâneos e outras apenas dois. No entanto, haviam algumas máquinas – mais raras – que aceitavam até SEIS jogadores, sendo que estas tinham duas telas contíguas! Legal, não?


É verdade que o game, na época, nunca foi adaptado para nenhum sistema doméstico. Mas, recentemente, pelo jeito a Konami resolveu “tirar o atraso”. Em 2010, o game ganhou uma versão com resolução HD para Playstation 3 e Xbox 360 (disponível para compra online nas respectivas redes de cada console). E, no começo deste mês (provavelmente em virtude do lançamento do novo filme dos X-Men), a Konami também lançou o game na loja virtual da Apple, para ser jogado no Ipad, no Iphone ou no Ipod Touch. Ou seja: agora não faltam opções para conhecer essa interessante antiguidade. Claro que o jogo também roda numa boa no M.A.M.E, o que vem a calhar para quem não é usuário de nenhuma das supracitadas tralhas do Sr. Steve Jobs, e nem é usuário das redes online dos consoles da Sony ou da Microsoft.


O X-Men da Konami não é o melhor game dos heróis já feito (ainda acho, por exemplo, que Mutant Apocalypse do Super Nes é muito mais legal), mas está acima da média dos games estrelados pelos personagens ao longo das décadas e qualquer retrogamer que goste de beat’em ups vai aprovar o jogo sem pensar duas vezes. Reúna um amigo para ajudá-lo a arrebentar os inimigos e arranque os dentes do Magneto a porrada!

7 pensamentos sobre “X-MEN (1992, Arcades)

  1. Eu conhecia esse jogo. Na epoca de seu lançamento saiu uma reportagem na Ação Games. Mas só vim a joga-lo em emuladores. Discordo de voce em relação a fraca versão do Snes ser a melhor. Na minha opinião Xmen 2 – The clone Wars do Mega Drive é muito superior.

    • Você tem razão, os dois X-Men do Mega Drive são muito bons. Mas, quanto ao do Super Nes, será que estamos falando do mesmo game? É que o X-Men – Mutant Apocalypse (que referi no post) não é “versão” de nenhum outro jogo, mas sim um título exclusivo do Super Nes. Claro que gosto é gosto, mas ainda é o meu game predileto dos X-Men, até porque nele a Capcom já apresenta a fórmula que depois seria aperfeiçoada no excelente game War of the Gems. De qualquer forma, aos poucos pretendo dar uma analisada em todos esses games dos X-Men aqui no Cemetery Games (menos naquele horrível jogo do Nintendo 8-bits, porque afinal de contas ninguém é de ferro, né? Hehehehe). Abraço!

    • Sério, velho? Mas aonde isso? Eu não me lembro nem sequer de já ter visto essa máquina pelas redondezas. Tu lembra se a máquina na qual tu jogava era pra 2, 4 ou 6 jogadores?

  2. Esse eu joguei em fliperama também, na praia.

    Era uma máquina para 4 jogadores, se não me engano, e neste fliperama em questão, a jogatina se dava por hora (e não por fichas inseridas na máquina). O dono do fliperama configurava as máquinas para “Free Play” e era possível jogar durante um tempo pré-estabelecido (assim como numa locadora de videogames).
    Dessa forma, um amigo conseguiu terminar este jogo.

    Jogo bem bacana da Konami, que estava se tornando especialista em beat’em’up na época.

    Se me permitir, deixo aqui um link ao meu blog, onde relato esta e outras peripécias em fliperamas:

    http://cidraman.blogspot.com/2009/10/fliperamas-de-cidra-beach.html

  3. Fala Caveira, blz? Atrasadasso nos comments aqui, mas vamos lá. Cara, eu adorava esse jogo, pasme, mas aqui em Sorocaba-SP tinha um belo exemplar para 4 jogadores dessa belissima raridade. Mais precisamente no extinto shopping Regional (agora Panorâmico). Eu e dois amigos eramos superfãs desse jogo, eu em especial, pois sempre fui fã dos HQs dos X-Men desde os 7 anos. Cara, bateu uma saudade daquele tempo que vc não tem ideia, vou relembrar esse jogo com certeza no MAME. Em tempo: belissima resenha para um belissimo jogo, parabéns! Abração!

  4. na minha adolescencia soube desse Arcade num gibi importado,fiquei alucinado,anos depois pude joga-lo no M.A.M.E.,adoro,mas ainda acho que a KONAMI pintou a tartarugas de x-men,o efeito sonoro e trilha são parecidos…

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s