SONIC CHAOS (1993, Master System e Game Gear)

Quando Sonic – The Hedgehog chegou arrasando no Mega Drive em 1991, tornando-se um dos grandes lançamentos daquele ano, parecia improvável que a Sega fosse se preocupar em adaptar o game do seu novo mascote para o Master System. Afinal de contas, o velho Master já estava no mercado há seis anos e o seu sucessor de 16-bits já estava bem estabelecido. Embora firme e forte no Brasil (um dos mercados em que o Master System mais fez sucesso em todo o mundo), no Japão e nos EUA o Master já era um console virtualmente liquidado.


Por isso, foi uma grande surpresa que, ainda em 1991, a Sega tenha lançado para o Master System uma excelente adaptação de Sonic – The Hedgehog (já resenhado do começo ao fim aqui no Cemetery Games). Mas a surpresa maior foi ver o Master System ganhando também uma versão da sequência Sonic 2, no ano seguinte, e em 1993 uma aventura exclusiva do herói, chamada Sonic Chaos (Sonic & Tails no Japão).


Sonic Chaos surpreendeu, de cara, por ter sido o primeiro título do Sonic exclusivo para plataformas de 8-bits. Além disso, foi o primeiro Sonic de 8-bits a trazer Tails como personagem jogável. O jogo apresentou algumas novidades aqui e ali, como mísseis que fazem Sonic sair voando pela tela e loopings em forma de espiral. Mas, no geral, é um Sonic no melhor estilo tradicional, bastante parecido com as aventuras anteriores do personagem no Game Gear/Master System.


Tecnicamente, os gráficos de Sonic Chaos não impressionam tanto quanto os do Sonic – The Hedgehog do Master/Game Gear, mas mesmo assim são bonitos e coloridos. As duas versões de Sonic Chaos são mais ou menos equivalentes, e é difícil saber se é um jogo de Master que ganhou versão para Game Gear ou se foi o contrário. Nos primeiros anos do Game Gear, o normal era que os jogos do portátil fossem simples conversões de jogos do Master. Alguns anos depois, por vezes se verificava exatamente o contrário (mas, pelo menos segundo a Wikipedia, Sonic Chaos teria sido feito primeiro para o Master e depois adaptado para o Game Gear).


Na época em que esse jogo era recente, eu joguei (e terminei!) ele na versão do Master System, mas jogando num Game Gear através do adaptador Master System Converter (um brinquedinho dos velhos tempos que também já foi resenhado aqui no blog). Mas agora, jogando novamente o game para esta análise, fiquei com a nítida impressão de que a versão do Game Gear é mais rápida e que tem menos slowdowns do que a versão do Master. Fiz o teste em mais de um emulador, e essa impressão se manteve.


Não tenho o cartucho do Sonic Chaos do Master, mas tenho o do Game Gear, e resolvi experimentar um pouco do jogo no console real. Infelizmente, meu Game Gear aparentemente está com algum problema técnico e não colaborou. Enfim, graças a Deus pelos emuladores! Entre consoles convencionais e portáteis, antigos e contemporâneos, eu tenho doze videogames na minha casa. Já pensaram se precisássemos depender do bom funcionamento  de tantos consoles, cada um com duas décadas (ou mais) e com seu próprio conjunto de fontes, joysticks pifados e cabos com mau contato? Arghhh!!!!  (Apesar da minha frustração momentânea, quero esclarecer que, a rigor, todos os meus consoles estão funcionando, por incrível que pareça).


Além dessa questão da velocidade, a única outra diferença essencial entre as duas versões de Sonic Chaos está nas proporções do personagem e do cenário. Na versão do Game Gear, Sonic é maior e a área de visão do jogador é menor. Apesar disso, eu ainda arrisco dizer que, no final das contas, o visual do jogo no Game Gear é o que se sai melhor. Na época, a então prestigiada revista americana Electronic Gaming Monthly elegeu Sonic Chaos como o melhor jogo de Game Gear de 1993. Realmente, para um game portátil, Sonic Chaos matava a pau (tecnicamente, não havia nada nem parecido no monocromático portátil da Nintendo). No Master System, no entanto, já rolava aquela inevitável comparação com os Sonics do Mega Drive, que eram muito superiores.

A trama é aquela mesma baboseira de todos os jogos da série, com o ensandecido cientista malévolo Dr. Robotnik tentando dominar o mundo através do poder místico das Esmeraldas do Caos. O design de fases também não é muito original, e copia mais ou menos “na cara dura” as orientações dos jogos anteriores – tem a fase das colinas verdejantes, a fase do cenário urbano/industrial, etc. Mas, no geral, Sonic Chaos é bem mais fácil do que os games anteriores do personagem nos consoles de 8-bits da Sega.


A versão do Game Gear de Sonic Chaos foi relançada em 2003 como um bônus escondido no game Sonic Adventure DX (Game Cube/PC). Ele também foi incluído na coletânea Sonic Mega Collection Plus (Playstation 2/Xbox/PC). Em 2009, a versão do Master System foi disponibilizada no Virtual Console do Nintendo Wii. Em 1994, Sonic Chaos ganhou uma continuação chamada Sonic Triple Trouble (Sonic & Tails 2 no Japão), mas desta vez o jogo só saiu para o Game Gear.


Embora seja um título exclusivo dos 8-bits, não seria exatamente correto dizer que Sonic Chaos foi “o primeiro Sonic exclusivo dos 8-bits”. Afinal de contas, não custa lembrar que as versões de Sonic – The Hedgehog e Sonic 2 para os consoles de 8-bits da Sega eram totalmente diferentes (em termos de design de fases) dos originais do Mega Drive. Ou seja, os dois primeiros Sonics do Master/Game Gear já eram, de certa forma, exclusivos destas plataformas. E a verdade é que Sonic Chaos não é tão bom quanto aqueles dois primeiros jogos. Mas para os fãs do Sonic dos velhos tempos, o importante é que se trata de um game do personagem no estilo clássico que o consagrou, e só isso já é motivo para recomendá-lo. Converter a beleza e a ação dos Sonics do Mega Drive para o limitado hardware do Master System e do Game Gear implicava em naturais perdas de qualidade, mas mesmo assim Sonic Chaos é um game legal, fiel às origens do personagem e digno de carregar o nome do Sonic, o que já é muito mais do que se pode dizer de boa parte dos jogos do azulão lançados na última década.

4 pensamentos sobre “SONIC CHAOS (1993, Master System e Game Gear)

  1. Olá! Achei muito legal seu blog, os jogos antigos do Sonic ainda estão entre os meus favoritos. Gostaria de aproveitar pra perguntar uma coisa: voce saberia dizer se existe algum uso para revistas antigas de videogame? Eu tenho uma pilha aqui que não poderei guardar mais por questões de espaço e estava pensando se alguém compra, ou se vai parar na reciclagem mesmo…
    valeu!

    • Amigo Alex: revistas de videogame antigas são muito valorizadas por colecionadores e retrogamers em geral (eu incluso). Depende muito de quão velhas são as suas revistas. Eu, particularmente, não me emociono com nenhum material posterior a 1994. Recomendo que você anuncie suas revistas em sites como o Mercado Livre, com descrição dos nomes das revistas e ano de publicação. Creio que você ganhará mais dinheiro vendendo-as desse modo do que levando as revistas num sebo qualquer, onde você fatalmente ganhará muito pouco por elas. Espero ter ajudado, abraço!

  2. Se tu ainda não tentaste arrumar teu GG, normalmente são os capacitores eletrolíticos dele que vazam e a tela fica toda preta ou sem contraste. É só trocar por outros, que ele volta a ficar novo.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s