GO GAME BRASIL – CONFIRA O QUE ROLOU NA FEIRA!

Bem-vindos de volta, amigos retrogamers! Aproveitei o último sábado (24/07) para visitar a Go Game Brasil, no Barra Shopping, em Porto Alegre. Para quem não sabe, trata-se uma feira inteirativa de videogames, com exposição de jogos antigos e atuais (você pode conhecer mais sobre as propostas da feira em www.gogamebrasil.com.br). É claro que o Caveira que vos fala não poderia deixar passar essa oportunidade, até porque não é todo dia que uma coisa legal dessas, relacionada a games antigos, aparece aqui há apenas 40km de onde eu moro. O ingresso é meio salgado, R$ 40,00 por pessoa, mas isso não me desestimulou.

Mas e aí, a Go Game Brasil é tudo o que promete? Bem, a feira tem seus aspectos positivos e negativos. Vou começar pelos positivos.

De cara, a feira tem o mérito de reservar um amplo espaço (mais ou menos metade do tamanho total da feira) para os games antigos. Telejogo Philco, Atari, Odyssey 2, Nes, Master System, Mega Drive, Super Nes, Saturn, Nintendo 64, Dreamcast, Playstation-2, Game Cube e Xbox, estão todos lá para apresentar aos visitantes a história dos videogames de 1977 até aqui. A escolha dos consoles, a meu ver, foi bastante competente, pois privilegiou os principais representantes de cada geração de consoles em detrimento de sistemas obscuros ou de menor impacto.

Cada um dos consoles tinha um game à disposição para ser experimentado pelos visitantes, e a escolha desses games, no geral, foi acertada: o Atari estava representado pela sua icônica (embora criticadíssima na época) versão do clássico Pac-Man, o Odyssey rodava Pick Axe Pete (que ficou famoso aqui no Brasil por ter sido rebatizado de “Didi na Montanha Encantada“), dois NES apresentavam Elevator Action e Ninja Gaiden II, o Super Nes estava rodando Super Street Fighter II, o Nintendo 64 exibia Waverace 64 e o Playstation rodava Tony Hawk Pro Skater 2, que foi uma febre na sua época. Algumas escolhas, no entanto, foram menos sábias: não consigo entender por que escolher California Games para o Master System, em detrimento do jogo-símbolo do console, Alex Kidd in Miracle World. Mas nenhum desses casos chegou a ser uma falta grave. Essa seção, é óbvio, foi a que eu mais curti. Foi a primeira vez que joguei Waverace 64 (game que adoro) num N64 de verdade, e não num emulador. Além disso, acho que faziam quase 25 anos que eu não jogava num Odyssey de verdade.


Uma segunda seção da feira era dedicada à evolução dos games. O personagem escolhido para essa demonstração, como não poderia deixar de ser, foi o Mario da Nintendo. Estavam lá à disposição dos jogadores: Super Mario Bros 2, rodando num saudoso Dynavision III (clone nacional de NES) com seu característico joystick tipo manche; Super Mario World, Super Mario All-Stars e Super Mario Kart (todos do Super Nintendo); Super Mario 64 e Super Smash Bros (ambos do Nintendo 64) e dois games contemporâneos do personagem, ambos do Nintendo Wii: Super Mario Galaxy (não cheguei a ver se era o 1 ou o 2) e New Super Mario Bros. Ou seja, o visitante da feira podia ter uma overdose de Mario, podendo conferir a evolução do personagem desde os anos 80, no NES, até os dias de hoje no Wii.

Uma outra seção da exposição era voltada para games de guerra. Haviam quatro televisores rodando Halo 3 em multiplayer. Joguei uma partida com uma gurizada mais nova e fiquei em segundo lugar, com 6 frags (contra 10 do vencedor). Nada mau para um cara velho, não acham? Mas admito que o fato de eu ter um Xbox 360 com Halo 3 em casa ajudou para que eu não fizesse fiasco nessa hora.

Nessa mesma seção de jogos de guerra, havia gente jogando Resistance e Uncharted, ambos do Playstation 3. Mas desde quando Uncharted é um game de guerra?!? Confesso que não entendi.

Lá no fundo da feira, estava uma pequena “seção Sony”. Um Playstation 2 rodava Syphon Filter – Logan’s Shadow (um hit do PSP adaptado para seu irmão maior) e quatro consoles Playstation 3 rodavam Modnation Racers, Uncharted 2, Heavy Rain e God of War III. Joguei um pouco do Modnation Racers, é bem divertido, na linha Super Mario Kart. Heavy Rain tem um visual espetacular, e vê-lo me lembrou de Fahrenheit (também conhecido como Indigo Prophecy), um jogo que eu curto bastante e que joguei há alguns anos no PC e no Playstation 2.

Por fim, a feira ainda contava com uma máquina de pinball (007 Goldeneye), um game de futebol (provavelmente um Winning Eleven) rodando num telão imenso e uma seção dedicada apenas a Rock Band, com todos os instrumentos.

Tudo muito legal mas, apesar de tudo isso, várias coisas não foram bem pensadas nessa edição da Go Game Brasil. Vamos a elas:

1 – O mais grave pecado da feira, disparado, foi o fato de terem ligado TODOS os consoles da exposição em televisores modernos de alta resolução! Trata-se de uma falha vergonhosa e inaceitável pois, como qualquer colecionador de consoles antigos sabe, se você ligar um emissor de sinal de baixa resolução numa televisão moderna, a qualidade da imagem ficará muito PIOR do que se você ligá-lo numa televisão mais antiga, de baixa resolução. E, por “emissor de sinal de baixa resolução”, entenda-se todos os consoles de videogame da primeira à sexta geração! Como resultado dessa barbeiragem, todos os games antigos expostos na feira estavam com um visual pior do que tinham há vinte anos atrás, quando eram recentes e rodavam nas televisões da época.

Em outras palavras, a Go Game Brasil investiu uma grana preta em televisores modernos e o resultado foi muito pior do que se tivesse providenciado um monte de televisores convencionais baratos, que hoje custam uma ninharia no mercado. Essa falha é inacreditável, e mostra que realmente a feira, em suas próximas edições, precisa urgentemente dispor da consultoria de pessoas ligadas à cena retrogamer e que entendam dessas questões práticas. Alguns games (como Pac-Man e Pick Axe Pete) não foram tão prejudicados por conta disso, mas outros (como Ninja Gaiden II e Super Mario All-Stars) tiveram seu visual bastante prejudicado, embora  naturalmente isso fosse muito mais perceptível ao vivo do que nas fotografias que você está vendo aqui.

2 – A graça de uma feira dessas é colocar os visitantes de cara com os aparelhos clássicos que marcaram cada época. Até onde pude constatar, não havia sequer um NES original da Nintendo na feira, apenas clones nacionais. Pior do que isso foi jogar um dos Super Nintendos disponíveis na amostra e constatar que ele estava equipado com um joystick PIRATA, desses que se compra nos camelôs por menos de dez reais. Francamente, né? É o fim da picada! Eu não aceito joysticks piratas de Super Nes nem na minha coleção particular, o que dizer então de uma feira desse porte?!?

3 – A feira deveria ser melhor organizada em termos de tempo limite de jogo para os visitantes. Lá na área de games antigos, a coisa funcionava bem. No Halo 3 multiplayer, o rodízio também era organizado. Mas na seção Playstation 3, por exemplo, teve gente que ficou mais de duas horas jogando God of War III direto, progredindo na campanha como se estivessem em casa. Me parece que isso de uma gurizada ficar o dia inteiro dentro da feira, pendurados em um ou dois consoles, é algo que não combina com a ideia da Go Game Brasil. Quem quer fazer isso deve procurar uma lan-house ou uma locadora de videogames.

4 – Outra decisão lamentável foi a de escrever as informações sobre datas e evolução dos games na lateral dos gabinetes de cada aparelho, dificultando a leitura pelos visitantes. Teria sido muito mais inteligente colocar essas informações em cartazes ou de outra forma bem visível, num local à parte ou colocada ao lado de cada console, mas não ocultada na lateral do próprio gabinete.

5 – Por fim, a ideia de colocar um Rock Band completo para os visitantes foi legal, mas os organizadores precisavam ter pensado numa forma de fazer isso sem que o som do Rock Band se espalhasse por toda a feira, fazendo com que o som de todos os outros games praticamente desaparecesse. Via de regra, se você jogava qualquer outro game além do Rock Band, você não ouvia nada do seu jogo. O Rock Band deveria ter sido colocado numa área com som isolado, ou o problema poderia ter sido resolvido com um sistema de fones de ouvido no gabinete de cada console.

No mais, devo dizer que achei a Go Game Brasil um barato e uma iniciativa louvável, que deve ser apoiada, estimulada e divulgada por todo mundo que curte a cena retrogamer brasileira. Torço pelo sucesso da exposição e espero que, futuramente, ela volte para Porto Alegre ainda maior e melhor.

5 pensamentos sobre “GO GAME BRASIL – CONFIRA O QUE ROLOU NA FEIRA!

  1. eu nao consegui nem chegar perto do halo3
    tinha uma gurizada jogando e eles ficaram indefinidamente pro lá…

    viu, o heavy rain é dos mesmos designers e da mesma empresa do farenheit, por isso a semelhança.

    cara, joguei o tal resistance, e por um BREVE momento achei que era ps2. em compensação, o uncharted 2 era NERVOSO.😀

  2. Doomariner, gostaria de saber de você o seguinte. Estava querendo levar meu filho de 7 anos neste go game, mas realmente gastar R$ 40,00 na entrada é salgado, mesmo ele pagando meia por ser estudante. Pra um guri que adora videogame, mas só por diversão, vale a pena levá-lo, pois em casa ele joga play 2 ou computador, e pelo que vi em seu comentário acima a maior parte são jogos retrô, que ele não vai querer nem sequer olhar direito. God of War é super violento para ele jogar, e seriam poucos jogos para ele brincar. Então, ele não vai ficar a tarde toda jogando, somente poucas horas.
    Para a idade dele, vale a pena?
    Grato.

    Alexandre

    • Alexandre, sinceramente acho que não vale à pena. A feira basicamente consiste de games antigos (que as crianças não curtem) e de games modernos violentos ou densos como God of War III, Heavy Rain, Resistance e Halo 3. Essa feira é mais voltada para adolescentes maiores e para adultos, especialmente retrogamers e pessoas interessadas na evolução e história dos games. Economize os R$ 60,00 que você gastaria no seu ingresso e no do seu filho e compre pra ele um game novo de PC ou Playstation 2, pois ele vai ser divertir muito mais. Abraço!

  3. oi, tudo bem? eu escrevo em nome do blog UFG e peço a autorização para o “empréstimo” das fotos de vocês. fui no evento, mas não consegui tirar as fotos. o blog e o link deste post estarão nas fontes no próprio post, qualquer coisa se não der por favor falem que tiraremos as imagens do ar. abraços!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s