RETROSPECTIVA SEGA & DISNEY – PARTE II: DONALD, O AVENTUREIRO!


Depois de Castle of Illusion, possivelmente o game da parceria Sega/Disney mais lembrado até hoje é QUACKSHOT, lançado em dezembro de 1991 para o Mega Drive. Com gráficos excelentes, o jogo apresentava o Pato Donald com um visual de Indiana Jones e metido numa aventura de caça-ao-tesouro pelo mundo bem no estilo do famoso arqueólogo do cinema. As referências aos filmes da série Indiana Jones são múltiplas: as roupas de Donald, as letras da tela título, a parte com o carrinho de mina (similar à cena de O Templo da Perdição), a luta com um cavaleiro no fim do game (similar ao cavaleiro que aparece no final de A Última Cruzada), etc.


Na trama, Donald estava fuçando na biblioteca do Tio Patinhas quando encontra, no meio de alguns livros, um velho mapa do tesouro do Rei Garuzia, antigo governante do Grande Reino dos Patos. Vendo nisso a oportunidade de ficar rico, Donald parte em busca de mais pistas sobre o tesouro, tomando as informações do mapa como ponto de partida. O problema é que o vilão João Bafo de Onça toma conhecimento da expedição de Donald e convoca seus capangas para perseguirem o herói pelo mundo para roubar o mapa e botar as mãos no antigo tesouro.

Com gráficos bonitos e detalhados e cenários variados, Quackshot fez sucesso e logo se tornou um dos mais emblemáticos games exclusivos do Mega Drive. O jogo nunca chegou a ser adaptado para outras plataformas. No entanto, quem tinha Master System ou Game Gear não ficou na mão: quase que simultaneamente ao lançamento de Quackshot, a Sega também lançou para estas plataformas um novo game, que era um “equivalente de 8-bits” de Quackshot: THE LUCKY DIME CAPER.

The Lucky Dime Caper começa com o Tio Patinhas presenteando seus sobrinhos Huguinho, Zezinho e Luisinho com três moedas da sorte, explicando que uma moedinha como aquelas tinha sido o começo de sua grande fortuna. Enquanto isso, todos estão sendo observados pela malévola Maga Patalógica, que manda seus corvos negros raptarem todos os meninos e suas respectivas moedinhas. A bruxa ainda aproveita para roubar a moeda da sorte original do Tio Patinhas, que prontamente envia Donald para uma missão de resgate dos meninos e das moedinhas. Em sua busca, Donald passará por ruínas astecas, pirâmides egípcias, florestas, ilhas tropicais, pelo pólo sul e, por fim, terá que adentrar o castelo assombrado da Maga Patalógica na Transilvânia.


The Lucky Dime Caper manteve o alto padrão de qualidade de Quackshot e Castle of Illusion, e se tornou um clássico instantâneo do Master System. Até hoje é comum vê-lo em listas dos melhores games do console de 8-bits da Sega.

Curiosamente, enquanto que Quackshot nunca veio a ter uma continuação, The Lucky Dime Caper teve uma sequência em 1993, novamente lançada para Master System e Game Gear, chamada DEEP DUCK TROUBLE. Dessa vez, Donald se aventurava numa misteriosa ilha para salvar o Tio Patinhas de uma maldição que o transformou num balão flutuante (!), fruto de uma desastrada expedição prévia do velho sovina à ilha. O jogo já foi analisado aqui no Cemetery Games, confira: https://cemeterygames.wordpress.com/2009/03/07/deep-duck-trouble-master-system-1993/

Deep Duck Trouble contava com alguns dos melhores gráficos já vistos num videogame de 8-bits e, sob vários aspectos, era tão bom ou melhor do que The Lucky Dime Caper. Apesar disso, o jogo não chamou muita atenção, pois em 1993 o Master System já era uma plataforma defunta em países como os EUA e o Game Gear continuava num distante segundo lugar no mercado de portáteis, sufocado pela hegemonia quase total do Game Boy da Nintendo. Além disso, os consoles de 8-bits já eram ultrapassados na época, pois os consoles da moda eram o Super Nes e o Mega Drive, que já estavam bem estabelecidos no mercado e travavam uma briga feia pela liderança do mercado.


Na terceira e última parte desta retrospectiva, vamos falar sobre a “ovelha negra” da parceria Sega/Disney: o controverso FANTASIA, de 1991.

8 pensamentos sobre “RETROSPECTIVA SEGA & DISNEY – PARTE II: DONALD, O AVENTUREIRO!

  1. Owowowow, Quackshot!! Um dos poucos jogos que me fizeram vontade de ter um Mega, em vez do SNES… Jogava-o no meu primo. Pena que nunca cheguei a virar pois havia algumas fases muito dificeis

  2. Poxa, achei que fosse falar mais sobre o Quackshot… Que joguei muito mas só zerei com o advento dos emuladores e dos seus Save States…

    Pelo menos Castle of Illusion eu zerei no Mega Drive mesmo…

  3. Tiago, não fique chateado, a análise desses games foi bem superficial dessa vez. Pode ter certeza que, mais dia menos dia, Quackshot e Castle of Illusion vão aparecer detonados do começo ao fim aqui no site! 🙂

  4. Ugh, The Lucky Dime Caper é o trauma de minha infância! Muito difícil! A melhor coisa foi ter ficado mais velho e zerado isso pelo emulador. Tirou um peso de minhas costas…

    • A versão do Master era bem desafiante mesmo, mas a grande decepção pra mim foi a versão do Game Gear (que era a que eu tinha e que mais joguei). Fui comprar o cartucho achando que ele me proporcionaria meses de desafio (afinal, eu já o conhecia da versão do Master) e acabei ele NA PRIMEIRA NOITE em que joguei, em questão de poucas horas. Dali para o resto dos meus dias de Game Gear, só o que me restou foi virar o jogo de novo e de novo, dezenas de vezes! A versão do G.G é uma vergonha de tão fácil …

      • É, deve ser chato esperar uma coisa e ter algo diferente, mas eu não me importaria se esse jogo fosse mais fácil… é um jogo da Disney, caramba! Haha

        Se bem que a dificuldade de Caper seria tolerável se fosse possível SALVAR nesse jogo!

        Castle of Illusion sim, era um jogo mais equilibrado, nem tão fácil nem tão difícil. Você já falou dele neste blog?

  5. Cara, ótimo post! Joguei muito Quack Shot no meu mega, eu com o meu primo chamavamos ele de Duck Tales 3😛.
    O de Master eu aluguei quando tinha uns 3 anos aqui na cidade, vagas lembranssas dele. Fantasia do Mega é um lixão! Lembro-me que numa
    revista antiga, elogiaram e falaram muito bem desse jogo bizarro. Aluguei
    e quase maiêi na parede essa bosta, de tão foda e tosco som bizarro e tals.kk
    Excelente posts que nos fazem relembrar como era bom jogar VG de Cartuchos! UHUUUUUUUUU

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s