AS TARTARUGAS NINJA – A “QUADRILOGIA”

No final dos anos 80 e começo dos 90, as Tartarugas Ninja (Teenage Mutant Ninja Turtles no original) tomaram o mundo de assalto com um divertido desenho animado, uma trilogia de filmes live-action, uma fabulosa linha de brinquedos e, como não poderia deixar de ser, com uma enxurrada de videogames. No auge do sucesso dos personagens, foram lançados em sequência três games para o NES e um para o Super NES, um melhor do que o outro.

O Cemetery Games aproveita agora para fazer uma retrospectiva da quadrilogia de jogos do quarteto predileto da criançada dos anos 80.


TEENAGE MUTANT NINJA TURTLES (1989, NES)

O primeiro jogo das tartarugas foi lançado em 1989 e se chamava simplesmente Teenage Mutant Ninja Turtles, lançado pela Konami (responsável por todos os games das Tartarugas Ninja daquela época, o que explica a qualidade destes títulos). Era um jogo de ação/aventura, que alternava momentos de side-scrolling com outros de visão aérea. A missão era percorrer esgotos, casas e bases para cumprir missões diversas (resgatar a jornalista April, impedir a destruição de uma represa, etc). O jogador podia jogar com qualquer um dos quatro heróis e trocá-lo por outro a qualquer momento do jogo.


Embora tenha feito grande sucesso, esse primeiro game pecava pela relativa falta de ação (em virtude da mecânica “adventure” em várias partes do jogo), pelos gráficos meia-boca e pela ambientação insatisfatória. Além disso, as fases eram cheias de inimigos bizarros que em nada lembravam os vilões do desenho animado.

De longe, a melhor, mais popular e mais lembrada versão do jogo é a do Nintendo 8-bits (NES), que aliás é a versão original. O jogo vendeu em torno de 4 milhões de unidades e se tornou um dos maiores sucessos do NES entre os títulos não lançados pela própria Nintendo. O game também teve conversões para os microcomputadores Amiga, Amstrad CPC, PC, Atari ST, Commodore 64, Spectrum e MSX (essa última foi, de longe, a que eu mais joguei naquela época). No entanto, nenhuma dessas chegou perto do original em termos de qualidade técnica, sucesso comercial ou boa recepção da crítica.

Turtles no MSX.

.

.

TEENAGE MUTANT NINJA TURTLES II – THE ARCADE GAME (1990, NES)

Ainda em 1989, a Konami lançou nos arcades (fliperamas) outro jogo das tartarugas. Embora tivesse o mesmo nome do jogo do NES (Teenage Mutant Ninja Turtles), esse novo game era totalmente diferente – pura ação side-scrolling, com gráficos maravilhosos e traduzindo com perfeição a estética e o clima do desenho animado que estreou em 1987. Efeitos sonoros, jogabilidade, visual, tudo era perfeito. Não é por nada que esse jogo até hoje é lembrado com saudades por todo mundo que o conheceu na época.

No ano seguinte, a Konami resolveu fazer uma adaptação do jogo de arcade para o NES, dando sequência ao jogo anterior do console. O game foi rebatizado como Teenage Mutant Ninja Turtles II – The Arcade Game e foi lançado em 1990, sendo que logo se tornou a preferência de 10 entre 10 proprietários de NES na época (e uma das principais razões para a criançada da época ranger os dentes de vontade de ter um).

Como já seria de se esperar, em termos de gráficos e som a versão do NES é sensivelmente inferior ao original do arcade. Mas não só a jogabilidade excelente foi mantida como, ainda, a versão do NES tinha suas próprias vantagens: duas fases inéditas, que não existiam no game original. Além disso, a maioria das fases foi ampliada na versão NES. Some-se a isso gráficos e músicas excelentes para os padrões do console e pronto: um clássico instantâneo e inesquecível, cultuado por todo mundo que curte ou já curtiu games da “geração 8-bits”.

O jogo também teve versões para os microcomputadores Amiga, Amstrad CPC, Atari ST, Commodore 64, PC e Spectrum. Nunca joguei as quatro primeiras, mas pelo que sei a versão do Commodore 64 é uma droga. A versão para PC era razoavelmente semelhante a do NES em termos de visual (mas sem as fases adicionais), mas inferior em termos de jogabilidade. A versão para Spectrum padecia das naturais limitações do micro, e os gráficos eram tão pobres que sequer lembravam o jogo original. De qualquer forma, era um bom lançamento para os padrões do Spectrum, e na época foi um jogo bastante festejado pela mídia especializada neste micro.

Além de dar de dez a zero no primeiro jogo em termos de gráficos, música, jogabilidade e ambientação, TMNT II ainda tinha a vantagem de introduzir na série um aspecto maravilhoso: a ótima jogabilidade cooperativa em two-players. Poucos games da época eram tão divertidos de jogar em dupla com um amigo quanto esses das Tartarugas Ninja!

TMNT II do NES é ação videogâmica de 8-bits na sua melhor forma. Me desculpem pela pagação de pau, mas eu AMO esse game!

.

.

TEENAGE MUTANT NINJA TURTLES III – THE MANHATTAN PROJECT (1992, NES)

Assumindo de uma vez por todas que o Nes era O videogame das Tartarugas Ninja, a Konami lançou em 1992 a continuação do “Arcade Game exclusivamente para o console da Nintendo. Em termos de visual e jogabilidade, o game era extremamente semelhante ao TMNT II, porém com gráficos levemente superiores. Para compensar a repetição da estética do jogo anterior, TMNT III introduziu cenários diferentes e bem legais. Só a título de exemplo, a primeira fase é numa PRAIA e na sequência tem até as Tartarugas Ninja fazendo surf e enfrentando inimigos no mar!

O roteiro, dessa vez, vai além da tradicional pendenga genérica entre o Destruidor e as tartarugas. Os heróis, no começo do jogo, são mostrados tirando férias numa praia. Se tartarugas pegando bronzeado já é uma coisa que parece estranha, imaginem ainda vendo televisão na beira da praia. Pois é, mais é isso aí mesmo. Tudo vai as mil maravilhas quando subitamente uma reportagem de April (a repórter amiga dos heróis) é interrompida pela notícia de que o Destruidor raptou … a ilha de Manhattan! Sim, a ilha INTEIRA foi elevada à altura dos céus (o jogo não explica como). Bom, ninguém iria querer muita lógica num jogo estrelado por tartarugas adolescentes que são ninja, não é mesmo? O importante é ter uma boa premissa para o pau comer solto!

TMNT III é um dos melhores beat’em ups da terceira geração de consoles (talvez o melhor) e foi um dos últimos grandes jogos do Nintendo 8-bits antes do final de sua vida útil (seu sucessor, o Super Nes, já estava no mercado há dois anos).  Na época a revista americana Electronic Gaming Monthly o elegeu como o melhor game de NES do ano de 1992 (aliás, eu lembro de ter lido essa notícia fresquinha, no verão de 1993, num exemplar da extinta revista Videogame).

.

.

TEENAGE MUTANT NINJA TURTLES IV – TURTLES IN TIME (1992, SUPER NES)

TMNT – Turtles in Time foi o segundo jogo das tartarugas nos arcades. Adaptado para o Super Nintendo, o jogo foi rebatizado de TMNT IV – Turtles in Time, a fim de mostrá-lo como a continuação natural da trilogia de games das Turtles no NES.

Assim como TMNT III, Turtles in Time apresentava um roteiro rebuscado: as Turtles estavam assistindo a uma reportagem da amiga April quando subitamente Krang aparece em cena e leva a Estátua da Liberdade embora. Nossos heróis vão atrás do alienígena e dos capangas do Foot Clan, mas o Destruidor abre um portal temporal e despacha as tartarugas para o passado. Agora, o quarteto precisa abrir caminho na base da porrada em diferentes épocas para retornar ao presente e derrotar o Destruidor e Krang.

Se os últimos dois jogos das Tartarugas Ninja no NES já eram fenomenais, esse aqui era simplesmente como ter uma máquina de arcade em casa. A versão para o Super Nes não ficou devendo absolutamente nada ao original, ou seja: gráficos, música, efeitos sonoros, jogabilidade dinâmica … tudo simplesmente PERFEITO. Preferências pessoais à parte, tecnicamente não há dúvida: Turtles in Time é o melhor game das tartarugas de todos os tempos.

.

.

PARA ALÉM DA QUADRILOGIA

Outros bons games estrelados pelas Tartarugas Ninja foram lançados para outros sistemas na mesma época. O Game Boy clássico da Nintendo teve a trilogia composta por TMNT – Fall of The Foot Clan de 1989 (que já foi detonado do começo ao fim aqui no Cemetery Games), TMNT II – Back From the Sewers (1990) e pelo não tão interessante TMNT III – Radical Rescue (1992).

Quebrando a tradicional hegemonia dos consoles da Nintendo em relação a games das Turtles, o Mega Drive da Sega recebeu em 1991 o ótimo TMNT – The Hyperstone Heist (que era uma espécie de conversão de Turtles in Time, mas com várias fases novas e um roteiro diferente).

Além desses, foi lançado em 1991 o pouquíssimo lembrado TMNT – The Manhattan Missions para PC. O jogo era mais baseado nas histórias em quadrinhos originais dos personagens e nem tanto no desenho animado, e era bem diferente dos games do NES.

Pegando carona na nascente febre dos games de luta, a Konami lançou em 1993 TMNT – Tournament Fighters, com versões para NES, Super Nes e Mega Drive. Era um joguinho de luta razoável, mas sem cacife para competir com os ótimos Mortal Kombat e Street Fighter II que dominavam a cena.

Depois disso, as Tartarugas Ninja caíram em ostracismo no mundo dos games e só voltaram à cena em 2002, com um novo jogo para o Game Boy Advance (Teenage Mutant Ninja Turtles – não confundir com o TMNT lançado em 2007!), uma nova trilogia para Playstation-2 e outros consoles e alguns outros jogos esparsos. No entanto, todos são baseados no novo desenho dos personagens, com estética bem diferente do desenho oitentista e dos filmes do começo dos anos 90. E, sem sombra de dúvida, o único desses games mais recentes que faz jus ao nível de qualidade dos antigos games da Konami é o TMNT de 2007, lançado para o Game Boy Advance (e que, curiosamente, não foi feito pela Konami e sim pela Ubisoft).

Turtles no Game Boy Advance, em TMNT (2007). A versão dos outros consoles é medíocre, mas a do GBA é simplesmente o melhor game das Tartarugas Ninja dos últimos 18 anos!

“Hey, desliguem essa porcaria desse programa, quero jogar Super Nintendo na TV!!!”

3 pensamentos sobre “AS TARTARUGAS NINJA – A “QUADRILOGIA”

  1. haha, o primeiro dos arcades ainda é o melhor de todos. Foi a primeira vez em que vi um videogame que parecia precisamente um desenho animado interativo.

    Gráficos excepcionais, ação non-stop com muitos personagens na tela simultaneamente e música de primeira, pura qualidade Konami dos bons tempos. A versão para NES fazia o possível e era sem dúvida um dos mais impressionantes feitos técnicos no aparelho, mas empalidecia. Diabos, mesmo Turtles in Time para SNES e a versão para Mega empalideciam perto do primeiro arcade, de 1989! Seus processadores não davam conta de lidar com todos aqueles sprites, ficavam só uns 3 ou 4 inimigos por tela e mais aqueles robozinhos que quase não se mexiam. O arcade usava o mesmo processador do Mega, mas eram 2 e com clock maior.

    Melhor no MAME mesmo.🙂

  2. Recentemente foi disponibilizado para download na Playstation Store um remake do TMNT IV para Playstation 3. Sei que não é o foco do site, mas seria legal comentar. Joguei a versão de demonstração, e tem uma jogabilidade fantástica, e é muito fiel. Bom, pelo menos a primeira fase é. Dá pra matar a saudade em grande estilo. O Curioso, é que este também foi feito pela Ubisoft… Será que eles compraram a franquia, que era da Konami?

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s