OUT OF THIS WORLD (Super Nes, 1992)

out00

Também conhecido como Another World fora dos EUA, esse é um game que nunca chegou a ser um enorme sucesso comercial, não virou uma franquia de sucesso e praticamente só é conhecido por quem já era fã de games no começo dos anos 90. Apesar disso, foi um título tremendamente influente e muito impressionante para a época em que foi lançado, constituindo um inegável capítulo na história da evolução visual dos videogames.

DESENVOLVIMENTO – UM PIONEIRO DOS GRÁFICOS POLIGONAIS

Mas afinal de contas, qual é o mérito de Out of This World? Bem, é uma coisinha bem simples, presente em praticamente todos os games contemporâneos: gráficos poligonais.

Praticamente tudo o que se viu entre a segunda e a quarta geração de videogames (ou seja, entre 1977 e 1994) em termos de jogos era baseado em bitmap, ou seja, aqueles gráficos bidimensionais no qual um personagem “desenhadinho” anda por um cenário “desenhadinho” lutando contra inimigos “desenhadinhos”. Independentemente de a abordagem ser mais cartunesca (pense no Tartarugas Ninja II para o NES) ou mais séria (lembre do Altered Beast do Mega Drive), a marca registrada do bitmap era um personagem 2D num cenário 2D.

Eric Chahi, o criador de Out of This World, era fã da versão de Dragon’s Lair do microcomputador Amiga (bem popular na época). O que fazia Chahi (e todo mundo) babar em Dragon’s Lair era o visual maravilhoso. Mas Chahi achava que aquilo exigia memória demais (o game Dragon’s Lair do Amiga ocupava OITO disquetes!) e concebeu uma espécie de desenho animado, porém feito em gráficos vetoriais, o que combinaria qualidade visual com melhor aproveitamento de memória. Foi com essa idéia que ele criou a (maravilhosa, diga-se de passagem) introdução de Out of This World, que foi o ponto de partida para o desenvolvimento do jogo em si. Obviamente, Chahi optou por manter o tom cinematográfico em todo o game, marcado por idas e vindas dramáticas e pela atmosfera sombria.

out1_031

Chahi evidentemente também foi profundamente influenciado pela técnica usada por Jordan Mechner nos clássicos Karateka e Prince of Persia. Em ambos estes títulos, os gráficos ainda eram bitmap, mas a técnica de movimentação do protagonista (baseada na captura de movimentos reais de uma pessoa de verdade) tornava a animação do herói muito mais realista e impressionante. Todo mundo que jogou Prince of Persia no final dos anos 80 e início dos 90 ficava impressionado em ver como o herói “se movia como uma pessoinha de verdade”.

Chahi resolveu misturar animação estilo Dragon’s Lair com o conceito de “jogabilidade cinemática” de Karateka e Prince of Persia, adicionando na mistura a novidade dos gráficos poligonais em tempo real: estava criada a fórmula de Out of This World.

anotherworld_cover_960

A concepção artística do game era sensacional, traduzindo com perfeição o tom sombrio, alienígena e desolador da trama.

out-of-this-world01

Por outro lado, algumas capas do game (como essa) eram horrendas. Repare que o ilustrador sequer se preocupou em respeitar o visual que o protagonista do jogo tem. O título estilizado, da forma como aparece na tela de abertura, também não foi aproveitado.

A TRAMA

Em Out of This World, o jogador encarna Lester Knight Chaykin, um jovem, ruivo e bem-sucedido cientista, às voltas com um revolucionário experimento de aceleração de partículas. A data em que a trama ocorre não fica clara, mas se supõe que seja no ano de 1997 ou depois, já que um computador usado por Lester no seu laboratório indica que o sistema operacional foi desenvolvido em 1997 (detalhe: na versão para PC, por outro lado, a data no computador aparece como sendo 1990).
out1_02

Numa certa noite, Lester estaciona sua bela Ferrari na frente de um prédio antigo, aparentemente abandonado. Uma tempestade parece se aproximar. Lá dentro, no subterrâneo do prédio, descobrimos que existe o laboratório do cientista. Lester dá início à execução de uma experiência de aceleração de partículas enquanto toma um refrigerante em lata e aguarda os resultados. Subitamente, no entanto, a tempestade lá fora piora e um raio atinge o laboratório. A descarga elétrica do raio adentra o acelerador de partículas no meio da experiência e, em questão de instantes, Lester e o terminal de computador à sua volta simplesmente desaparecem.

No instante seguinte – e aí começa o game propriamente dito – Lester está dentro de uma espécie de rio ou lago, indo diretamente ao fundo junto com o maquinário de seu laboratório. Chegando na superfície, Lester descobre que foi parar numa outra dimensão, ou num mundo desconhecido. A abertura que narra esses eventos era um verdadeiro show de tecnologia para a época. Assista a animação no link http://www.youtube.com/watch?v=dNeayv-OTK0&feature=related.


AS VERSÕES

Out of This World foi lançado originalmente para o microcomputador Amiga (foi também a primeira versão da qual ouvi falar, na época). Rapidamente ganhou versões para outros computadores – PC, Apple II GS, Atari ST e Macintosh – e, pouco depois, para Super Nes e Mega Drive.

Todas as versões são mais ou menos equivalentes, não destoando significativamente em qualidade visual ou sonora, bem como no conteúdo do jogo. Minha escolha pela versão do Super Nes deve-se tão somente ao fato de que, na época do sucesso deste game, esta versão era seguramente a mais conhecida e a que mais popularizou o jogo, pelo menos aqui no Brasil.

É um fato compreensível: virtualmente ninguém por aqui tinha um Apple II GS, Atari ST ou Macintosh, e pouca gente tinha um IBM PC ou Amiga. Além disso, a versão do Mega Drive demorou mais para aparecer do que do Super Nes, e todos estes fatores contribuíram naturalmente para que a versão deste se tornasse a mais difundida.

Cerca de um ano depois, surgiu também uma versão para o 3DO (com um visual significativamente mais refinado), mas que não fez grande sucesso, até porque o 3DO foi, comercialmente, uma das plataformas mais infelizes da história dos videogames.

A CONTINUAÇÃO

Cerca de um ano depois do impactante Out of This World, um game semelhante – mas ainda mais bonito – brilhou nas telas dos PCs: ele se chamava Flashback, e foi desenvolvido pela Delphine, mesma empresa que criou Out of This World. O jogo logo ganhou versões para Super Nes e Mega Drive e as diversas semelhanças entre os games (incluindo a história envolvendo um sujeito perseguido por alienígenas) fizeram todo mundo achar que Flashback era a continuação de Out of This World.

Bom, mas não era. O objetivo de Eric Chahi era  que Out of This World jamais tivesse qualquer continuação, pois isso preservaria o final “em aberto” do game original (no final de Out of This World, não fica claro se o protagonista Lester morreu ou não, e muito menos é esclarecido se ele um dia conseguiu voltar para o nosso mundo ou não).

Mas quem se importa com o que um artista pensa, não é? O negócio é sempre encher o rabo de dinheiro! A Interplay (uma das publishers do game original) mandou Chahi às favas e, contra a vontade do criador, resolveu fazer uma sequência assim mesmo, sem participação do cara. O resultado foi HEART OF THE ALIEN, lançado em 1994.

O “pequeno” problema é que Heart of the Alien foi lançado única e exclusivamente para o Sega-CD, uma plataforma que, apesar de ter seus méritos, não chegou exatamente a ser um sucesso comercial. Portanto, não é de se admirar que a maioria dos fãs de Out of This World sequer saiba que essa continuação existe (de qualquer forma, podem ter certeza que um dia desses vai ser a vez de Heart of the Alien ser resenhado aqui no Cemetery Games).

pic01-scd-heart-of-the-alien

CURIOSIDADES

* Eric Chahi desenvolveu, seis anos mais tarde, o game Heart of Darkness, um sucesso do primeiro Playstation. O game tem vários aspectos técnicos em comum com Out of This World e foi bem recebido pela crítica, tendo vendido um milhão e meio de cópias. Uma versão para PC também foi lançada;

* A revista norte-americana Electronic Gaming Monthly elegeu as versões de Out of This World para Super NES e Mega Drive como vencedoras na categoria “Game mais inovador do ano de 1992”;

* O badalado designer Hideo Kojima, criador da aclamada série de games Metal Gear, declarou certa vez a um jornal japonês que Out of This World é um dos cinco games que mais o influenciaram em todos os tempos.

* Fumito Ueda, criador do cultuado game Ico do Playstation 2, afirmou em entrevista à revista PlayStation Magazine americana que Out of This World foi uma de suas influências para a criação de Ico.

* Embora Out of This World nunca tenha sido oficialmente adaptado para o Game Boy Advance, entre 2004 e 2005 foram criadas três versões não oficiais do jogo para o portátil da Nintendo.

* Versões não oficiais foram lançadas também para Dreamcast e para o palm Tapwave Zodiac. Em 2004, uma versão oficial foi lançada para Pocket PC.

* Em 2006, uma versão do game foi lançada para Windows XP, para comemorar o aniversário de 15 anos do original. Essa versão conta com grandes melhorias gráficas, podendo ser jogado numa resolução muito maior, e a dificuldade foi reduzida em virtude do aumento do número de “checkpoints”. Essa edição, conhecida como “The Colector’s Edition“, é considerada por Eric Chahi como “a versão definitiva de Out of This World”.

out00_1

Essa é a primeira cena jogável do game, logo após a animação de abertura. Suba rapidamente para a superfície, pois tentáculos surgirão no fundo da tela, tentando transformar Lester num belo lanche.

out01Logo que Lester sai da água, essa é a primeira cena que se vê. Repare que o cientista estava dentro de uma espécie de piscina ou fosso, e que lá no fundo já tem uma simpática criatura de olhos vermelhos cuidando os seus passos.

out02

Enquanto Lester enfrenta esses perigosos vermes rastejantes no chão, o agradável animal que o observava na outra cena continua a se mover nos morros ao fundo do cenário.

out03Ao chegar nesta tela, o jogador quase sente que está aprendendo a lidar com os perigos desse estranho mundo …

out04… quando subitamente pula em sua frente a monstruosa pantera alienígena que andava no fundo do cenário. Essa repentina e assustadora animação deve ter feito muita gente borrar as calças na época!

out05O negócio é sair correndo de volta para a esquerda, que nem um louco, passando pela tela inicial até chegar nesse na frente desse cipó, para pular e agarrar nele …

out061… o cipó arrebenda, balança para a direita da tela e arremessa Lester de novo na tela inicial. Corra agora para a direita, com a pantera maluca em seu encalço. De volta à tela onde a viu pela primeira vez, Lester é subitamente confrontado por um humanóide enorme e todo vestido de preto, que atira na fera que persegue o cientista.

out07 Lester tenta dar uma de simpático …

out08 … mas dá uma olhada no look desse cidadão! Será que ele curte uma boa conversa?

out09 Lester toma um tiro e, quando recobra a consciência, se vê numa pequena cela ao lado de outra criatura.

out10 Aqui, o game aproveita para exibir mais uma pequena “cut scene” de babar para os padrões de 1992.

out11 Saca só a pinta de MONGOLÃO do cara que está preso com você! Menos mal que ele foi com a sua cara …

out12Aqui, é preciso balançar a jaula para a direita e para a esquerda, até ela cair bem na cabeça do guarda que está embaixo.

out13 Bang! A jaula se espatifa no chão, abre e ainda nocauteia o guarda. Hora da fuga!

out142O novo amigo de Lester fala alguma coisa numa língua alienígena incompreensível. Presumivelmente ele diz algo como “siga-me” ou “por aqui”. Mas sempre há o risco de que ele tenha dito “hmmm, sou chegado em ruivos”. Todo cuidado é pouco nesse lugar …

out15 Lester pega a arma do guarda nocauteado, e rola mais uma breve animação.

out16Um pouco mais adiante, a dupla encontra um elevador. Indo no último andar, é possível olhar pelas barras da pequena janela …

out17 … de onde se pode ver toda a extensão da sinistra cidadela alienígena.

out18Nessa parte, repare que Lester se move ao fundo enquanto que um pelotão de guardas marcha no primeiro plano. Esses efeitos dinâmicos davam um clima sensacional para o jogo.

out19Lester chega até esse abismo, e tudo parece perdido. Mas o segredo é pular para cair o mais à direita possível …

out20… fazendo o personagem aterrisar nessa plataforma, diante de uma parede rochosa. Um belo tiro com a arma revela a entrada para uma caverna.

out21Logo adiante, surge mais um problema: a passagem é interrompida por esse imenso reservatório de água (aparentemente, algum tipo de tecnologia alien faz com que a água não vaze para os lados, embora Lester possa adentrar no reservatório, o que causa morte instantânea).

out22A solução é explorar as cavernas subterrâneas até chegar aqui, na parte inferior do reservatório. Um tiro bem dado causará uma inundação e esvaziará o reservatório. Mas prepare-se para correr muito, pois a água avança extremamente rápido. Esse é um dos momentos mais desafiantes do jogo e é normal morrer várias vezes aqui até passar por toda essa cena com sucesso …

out231Ao chegar até aquele buraco da esquerda, um jato de água arremessará Lester para cima, fazendo com que o cientista saia vivo da inundação que causou.

out24 Agora, o fosso está vazio e Lester pode cruzar por ele sem problemas.

out25Em seguida, Lester chega num novo prédio e subitamente alguém é jogado num porão logo abaixo. E olhe só quem é: o nosso amigo com cara de abobado! Bom, a aventura ainda vai longe – até aqui foram apenas cerca de 1/3 do jogo. Mas nosso review fica por aqui. Boa sorte e divirtam-se com Out of This World!

9 pensamentos sobre “OUT OF THIS WORLD (Super Nes, 1992)

  1. Cara, excelente review! Me deu até vontade de jogar agora!
    Ps. o desafio pra partida de Street Fighter 2 ainda está de pé, já joguei com o Ale e tudo!
    Abração

  2. cara, muito bom o site, eu fui mais da época do Flashback, lembro que a crítica puxou muito o saco desse game, mas ele é bom mesmo, e tem a mesma jogabilidade do Prince of Persia clássico.

  3. CARAAAA
    eu tenho 16 anos, nasci em 93
    mas mesmo assim amo o SNES e esse game!!!
    Muito massa, citaram o flashback que era outro jogaço
    e eu recomendo tambem o BLACK THORME que é do mesmo estilo

    SERIO, muito boa essa review, parabens,
    eu queria saber se ha o link para down dessa versão para PC
    mandem para o meu email?

    >> caiozambonato2pac@gmail.com

    valeu!

    PS: hávera um outro game desse mesmo criador,
    o nome é; ‘ Project Dust ‘ podem pesquisar…
    *-*

  4. Gostei muito dessas informações sobre esse jogo que pra mim éumdosmelhores jogos do supernintendo, tenho esse jogo em FITA(o cartucho)jogo ela sempre, mais não só ela mais tambem vários outros jogos de super nintendo, pois eu sou colecionador de super nintendo, tenho mais de 50 jogos, gosto demais mesmo…valeu abraçossss
    meu msn é esse aqui(celio_moral@hotmail.com)qualquer me adcionem pra gente conversar sobre jogos de super nintendo, pois vou gostar de saber mais e mais sobre esse game que pra mim é o melhor game do mundo…

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s